O Juventude vai para mais um tentativa de contar com um centroavante de nome para a temporada. Nos últimos dias, o nome de Wellington Paulista circulou nos bastidores do estádio Alfredo Jaconi. Contudo, o próprio jogador tratou de descartar a negociação com a equipe gaúcha. Em nota, esse disse que respeita o clube, mas não há nenhuma tratativa de transferência do Fortaleza para o Juventude.

"Estou sempre em contato com o meu empresário e não existe essa história de Juventude. Trata-se de um clube tradicional, com uma história de digna de respeito, mas não tem negociação alguma nesse momento. Seria uma honra poder defender o Juventude, mas o meu foco hoje está no Fortaleza", contou Wellington Paulista.


O jogador, de 36 anos, tem contrato com a equipe nordestina até a maio de 2021. Segundo informações da Rádio Caxias, o atleta teria sido oferecido por um intermediário. Ao buscar detalhes da questões salarial, o negócio não evoluiu por parte do time de Caxias do Sul.


Foto: Sirli Freitas / Chapecoense

Há quem diga que, pela quantidade de troféus e craques, o Brasil seja o país do futebol. No entanto, em nível profissional a frase é contrariada pelos fatos, já que os 650 clubes que atualmente disputam competições profissionais no Brasil (todas as divisões de estaduais e nacionais) estão distribuídos por apenas 422 dos 5.570 municípios brasileiros. O que significa que cerca de 100 milhões de pessoas (cerca de metade da população do país) vivem em cidades sem nenhum futebol, além daquele que é praticado de forma recreativa. As informações foram divulgadas pela Pluri Consultoria, especializada em gestão Esportiva.


Não bastasse a pouca penetração geográfica, na média, a atividade desses clubes ocupa apenas 35% do calendário útil do futebol, equivalente a cerca de três meses do ano. Apenas 422 cidades brasileiras (7,6% do total) contaram com, ao menos, uma equipe profissional de futebol em atividade em 2019.


Apenas 128 clubes (19,7% do total) têm calendário anual, por disputarem uma das 4 divisões do Campeonato Brasileiro. As outras 522 equipes profissionais tiveram apenas as competições estaduais e, em raros casos, a Copa do Brasil para disputar.


RIO GRANDE DO SUL


Segundo a Pluri, em 2019, o Rio Grande do Sul teve 41 equipes disputando campeonatos profissionais, seja da CBF ou da FGF. O estado ainda contou com 31 cidades com equipes em atuação na temporada. O número de municípios é menor pelo fato de uma cidade ter mais de um time profissional, como Pelotas, Rio Grande, Bagé, Porto Alegre e Caxias do Sul. Na porcentagem por cidades, o Rio Grande do Sul tem apenas 6,2% dos municípios com equipes profissionais.


Imagem: Reprodução/Pluri

Com informações Pluri Consultoria

O camisa um Matheus Claus renovou seu contrato com o Bahia. O atleta ficará em Salvador até o fim da temporada. Inicialmente seu vínculo estava previsto para encerrar ao final do Campeonato Baiano.


Com a camisa do Pelotas, o goleiro conquistou o a Acesso para o Gauchão em 2018. Aos 25 anos, defendeu as cores do Bahia em três jogos do estadual até a paralisação do futebol. Foi titular nos triunfos sobre Vitória da Conquista e Bahia de Feira, e no empate por 0x0 com o Doce Mel.


Gaúcho de Campo Bom, Claus tem passagens ainda por Caxias, Veranópolis, Pelotas e Glória. O Pelotas ficará com um percentual do jogador em uma futura venda.


Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia/Divulgação