O Presidente do Pelotas, Gilmar Schneider, concedeu entrevista à Rádio Universidade hoje nesta terça-feira. O dirigente comentou sobre a reunião que definiu a data base para a apresentação do elenco.


Conforme a emissora, a comissão técnica juntamente com a direção do Lobo, definiram o período de 6 de julho como data para apresentação do elenco.


O primeiro desafio pós retomada será o Campeonato Gaúcho, mas sem a preocupação da zona do rebaixamento. Os clubes decidiram que não haverá descenso nesta temporada. Depois, o Pelotas terá a Série D. O técnico na retomada será Ricardo Colbachini.


Conforme o presidente, nas próximas semanas, o clube deve anunciar os primeiros nomes para a retomada do futebol. Pré-contratos já foram firmados com alguns atletas. Também há jogadores que vão atuar o Gauchão por outras equipes e depois se apresentam para Série D na Boca do Lobo.


"Nós aqui vamos estipular a data de 6 de julho pra a data da reapresentação. A gente acha que se o quadro se mantiver como está, tem grandes chances no mês de agosto de ter a final do Gauchão. Tem uma série de contratações que o Pelotas precisa fazer. Alguns já mandaram o pré-contrato. Temos a situação de alguns jogadores que ainda vão jogar o restante do Gauchão para a formação da Série D", declarou Schneider ao apresentador Marcelo Prestes.


Foto: Twitter/Pelotas/Tales Leal


Na última semana, o site peleiafc.com entrevistou o técnico Cristian de Souza, do Veranópolis. Na oportunidade, o profissional reforçou a necessidade de se discutir o calendário do futebol gaúcho. Para ele, o calendário deve ser mais humano e profissional. Hoje, a "safra" dos profissionais da bola são os 4 primeiros meses do ano, segundo o treinador.


Para corroborar com este pensamento, o Peleia FC teve acesso a um levantamento detalhado da Pluri Consultoria, renomada na área de gestão. Conforme os dados pesquisados, os clubes brasileiros ocupam, em média, apenas 35% do calendário útil do futebol. No Rio Grande do Sul a média sobe para 49%, ficando atrás apenas de São Paulo 53%.


Se equipes da séries A e B sofrem com a incompatível quantidade de jogos causada pelo calendário, que as obriga a também disputar competições estaduais, a maioria dos clubes de divisões inferiores atua em menos da metade do calendário útil do futebol.


A taxa de utilização média do calendário do futebol brasileiro em 2019 foi de 35% para os 650 clubes que disputaram, ao menos, uma competição profissional na temporada. Significa que, em média, os clubes brasileiros passaram 65% de seu período de atividade sem disputar uma única partida.


No total, 14 das 27 unidades de federação tiveram taxa de utilização de calendário igual ou inferior a 30%. Incluem-se nessa lista estados de tradição como Minas Gerais e Goiás.


Pará, com 19% de utilização, foi a unidade de federação com menor taxa de utilização do calendário no ano de 2019, seguida por Sergipe, Roraima, Piauí, Paraíba e Distrito Federal com 20% cada.


Ainda segundo a Pluri Consultoria, 382 equipes profissionais em atividade no Brasil (59% do total) atuaram em, no máximo, 30% do calendário útil do futebol em 2019, o que significa cerca de três meses de atividade.


Existe uma pequena elite de 77 clubes do futebol brasileiro, equivalente a 12% dos 650 clubes, que ultrapassou a marca de 80% de utilização do calendário, patamar adequado para equipes de futebol profissional. Este grupo, formado em sua maioria por equipes das séries A e B, conta com representantes de apenas 16 das 27 unidades de federação do país.


Nesse grupo de elite há 11 equipes que disputaram mais de 65 partidas na temporada, número excessivo, que faz dos clubes brasileiros os que mais disputam partidas no mundo.


Ampliando esta amostra, com a inclusão de equipes das séries C e D, identificaremos que apenas 136 clubes (21% do total) jogou, ao menos, 60% do calendário útil (equivalente a 6,7 meses), patamar mínimo para

equilibrar a gestão financeira.


Outras 219 equipes (34% total) tiveram calendário inferior a 2 meses. Já 55 equipes (8% total) tiveram calendário inferior a 1 mês.


CLUBES POR TAXA DE UTILIZAÇÃO DO CALENDÁRIO EM 2019

RIO GRANDE DO SUL 

81% a 100% - 9 clubes

61% a 80% - 10 clubes

31% a 60% - 4 clubes 

0% a 30% - 18 clubes 

Total: 41 clubes  


MESES COM PARTICIPAÇÃO DE CLUBES EM COMPETIÇÕES PROFISSIONAIS

RIO GRANDE DO SUL 

Janeiro .......... 12 clubes

Fevereiro ....... 28 clubes

Março ............ 40 clubes

Abril .............. 35 clubes

Maio .............. 20 clubes

Junho ............ 16 clubes

Julho ............... 9 clubes

Agosto ............ 6 clubes

Setembro ........ 6 clubes

Outubro .......... 3 clubes

Novembro ....... 3 clubes

Dezembro ....... 2 clubes


Imagem: Reprodução Pluri Consultoria


Com informações da Pluri Consultoria


O sonho de todo o torcedor é ter um camisa 9 que faça gols. Conforme informações da Rádio Caxias, a direção do Juventude estuda fazer proposta pelo centroavante Wellington Paulista. Atualmente, o atleta defende as cores do Fortaleza.


A busca por um goleador não é nova no estádio Alfredo Jaconi. No começo do ano, o clube chegou a fazer uma proposta pelo argentino Hernán Barcos. Contudo, o profissional foi para o futebol do exterior.


Aos 36 anos, Paulista acumula passagens por times de expressão no cenário nacional como Inter, Botafogo, Chapecoense, Palmeiras e Fluminense. A direção alviverde ainda não fez o contato oficial para apresentar uma proposta.


Ainda conforme a emissora da serra gaúcha, o contrato do atacante com a equipe do nordeste vai até maio de 2021. Em 55 jogos com a camiseta do Fortaleza, foram 18 gols marcados até a paralisação do futebol.


Foto: Sirli Freitas/Chapecoense/Divulgação