O Rio Grande decidiu entrar na justiça contra a Ponte Preta para que o clube paulista pare de se auto-intitular "o clubes mais antigo em atividade no Brasil". O posto é oficialmente do Rio Grande. O vovô foi fundado no dia 19 de julho de 1900 e a Ponte no dia 11 de agosto do mesmo ano.


Inclusive, o Rio Grande é reconhecido pela CBF como o clube de futebol mais antigo do Brasil em atividade. Existem documentos do tempo da CBD que comprovam este fato. Além disso, o dia do futebol nacional é em alusão ao aniversário do time gaúcho, 19 de julho.


No último domingo, o peleiafc.com conversou ao vivo com o presidente do Rio Grande. Marco Coutinho revelou que o clube vai entrar com dois pedidos imediatos contra a macaca. Primeiro que a Ponte pare de usar o slogan de mais antigo do Brasil em atividade. Por fim, o vovô vai pedir uma indenização, na casa dos milhões, por todos esses anos de danos.


"Nós somos o mais antigo em atividade no Brasil. Em uma só ação vamos pedir que a Ponte tire o slogan do seu estádio, site e ônibus. Em segundo um indenização por tudo que a Ponte Preta arrecadou em todo o tempo que ela se diz mais antiga, como um torneio nos Estados Unidos por ser considerada a mais antiga. O Rio Grande grande se sentiu lesado e estamos pedindo essa reparação. Quantos patrocínios será ela não conseguiu por se dizer a mais antiga ? O que a Ponte Preta está fazendo é Fake News. Ela está passando uma informação errônea", declarou o dirigente ao jornalista Tiago Nunes.


O presidente esclareceu também o porque o clube não entrou na justiça antes. Segundo ele, a questão foi financeira, pois não tinham como arcar com os custos do processo. O valor da indenização a ser pedida ainda está em estudo, mas será na casa dos milhões.


"Isso o advogado está levantando os números, mas pelo que ele passou não está muito longe dos 50 milhões. Foi um ponto de referência. Primeiro o Rio Grande está procurando o seu reconhecimento", comentou.


Confira a entrevista na íntegra e sobre o caso envolvendo a Ponte a partir dos 17 minutos.



Projeto apresentado pelo senador Romário (PODE-RJ) proíbe entidades esportivas de punirem atletas por manifestarem pensamento de natureza política (PL 5004 de 2020). O projeto altera a Lei n° 9.615, de 24 de março de 1998, conhecida como Lei Pelé.


Romário, que é ex-atleta e que teve a carreira esportiva marcada por manifestações públicas dentro de campo, lembra que a livre manifestação de pensamento é um direito garantido na Constituição Federal. Logo, a autonomia das entidades esportivas, não pode ferir esses princípios.


“A autonomia de funcionamento conferida pela Constituição às entidades do esporte são para protegê-las de ingerências sobre os campeonatos ou em seus resultados, mas não autoriza que sejam estabelecidas regras competitivas internas que atentem contra direitos e garantias fundamentais, sob pena de ineficácia absoluta”, defende.


Romário ampara sua proposta no capítulo que trata dos direitos e garantias fundamentais da Constituição de 1988. A Carta Magna traz no artigo 5°, inciso IV, que “é livre a manifestação de pensamento, sendo vedado anonimato”. E, mais adiante, no inciso IX, que “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.


Para o senador, a recente punição à jogadora de vôlei de Carol Solberg foi uma interpretação jurídica equivocada. A atleta se manifestou politicamente durante uma entrevista. “Dentro da dinâmica esportiva, apenas deve encontrar respaldo para punição ofensas diretas a atores envolvidos na disputa, organização e patrocínio da própria competição, ação que poderá ensejar infração de natureza disciplinar cingida à estrita esfera desportiva. Punir um atleta por se manifestar contrariamente a um personagem estranho à competição, e que não atrapalhe o seu andamento, é indubitavelmente um constrangimento ao disposto no art. 5° de nossa Carta Maior”, afirma Romário.


Foto: Divulgação

Na tarde desta quinta-feira (22), o Caxias enfrentou o Novorizontino, no Estádio Jorge de Biasi, pela 8ª rodada da Série D. A equipe comandada pelo Técnico Rafael Lacerda empatou em 1 a 1, com gol de Thiago Sales. O gol do Novorizontino veio de finalização de Bruno Aguiar. O time da serra gaúcha acumula cinco jogos sem vitórias na Serie D. São três derrotas e dois empates. O próximo compromisso do Grená será diante do Marcílio Dias, no domingo (18), às 15h, no Estádio Centenário.


Foto: Maria Paula Laguna/ Assessoria Novorizontino