ASSISTA: Eduardo Leite admite possibilidade de suspensão do Gauchão

O Rio Grande do Sul segue em alerta máximo por pelo menos mais duas semanas. Diante dos níveis críticos de ocupação de leitos e velocidade de propagação do coronavírus, o governador Eduardo Leite anunciou que todas as regiões serão mantidas em bandeira preta e sem cogestão regional pelo menos até dia 21 de março. A suspensão geral de atividades não essenciais, entre 20h e 5h, ficará vigente até 31 de março para reduzir a circulação de pessoas e, com isso, a circulação do vírus.


“Estamos numa situação muito crítica e que piora a cada dia. Mesmo com os esforços de ampliação de leitos, a velocidade de propagação do vírus e a velocidade do aumento das internações hospitalares é enorme, muito maior do que tivemos nos momentos críticos do ano passado. Em cada um dos picos de julho e novembro, chegamos a 2,6 mil pacientes internados em leitos clínicos e de UTI. Agora, temos mais de 7,2 mil pessoas hospitalizadas por Covid-19”, comparou o governador.


A alta taxa de internações é agravada pela velocidade cinco vezes superior na variação diária de hospitalizações: se antes cerca de 60 leitos eram ocupados por dia, agora, são, em média, 350 pacientes a mais diariamente. Como essa variação (diferença entre número de pacientes que entraram e saíram de internações), que começou na metade de fevereiro e segue aumentando, significa que o pico ainda não foi alcançado e que, mesmo depois de alcançá-lo, ainda haverá maior demanda por leitos.


“O esforço que todos estamos realizando deverá surtir efeito, como ocorreu em outros países depois de adotarem medidas semelhantes, mas teremos de esperar algum tempo até haver redução das internações. Não há indícios de que a ocupação de leitos vá cair rapidamente, em dias ou semanas. Ou seja, a situação ainda deve piorar antes melhorar, por isso, precisamos manter as restrições em nível máximo”, disse Leite.


FUTEBOL


Durante os anúncios desta sexta-feira, o governador foi questionado quanto a permissão para realização de jogos nacionais e internacionais no estado, como da Copa do Brasil e Libertadores da América, com viagens de times de outros países. Eduardo Leite ponderou que a decisão sobre o tema precisa ser tomada em conjunto pelos governadores, pois não adianta um estado proibir e outros liberarem. Entretanto, opina ser favorável a suspensão de jogos.


"Eu fiz uma provocação ao fórum dos governadores sobre isso. Nós temos campeonatos nacionais e internacionais. É importante que se tenha uma decisão conjunta, pois se nós proibimos no RS sem uma decisão conjunta, o jogo será tirado do estado e realizado em outro lugar. Proibir no Rio Grande do Sul somente, não vai ajudar a não ter o jogo. A nossa preocupação é com os efeitos que os jogos trazem com reuniões de pessoas e eventuais celebrações. Semana passada, se não deixássemos o jogo do Grêmio acontecer aqui ele seria levado para fora. Trocamos o horário para a noite onde se tem menos disposição das pessoas de se juntarem para assistir os jogos. Entendo que é o caso da suspensão, mas é preciso ser decidido conjuntamente entre os estado", afirmou o Governador


Em sua fala, o governador do estado também se manifestou sobre a realização dos jogos do Campeonato Gaúcho 2021. Leite confirmou a realização da 3ª rodada, que começa neste final de semana. Disse também estar em contato direto com o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Luciano Hocsman. Contudo, admitiu trabalhar com a possibilidade de suspensão do Gauchão nas próximas semanas.


"Com relação ao Campeonato Gaúcho estou em contato com o presidente da FGF, conversei com ele ainda hoje e poderemos ter decisões nos próximos dias. Em princípio esta rodada do final de semana deverá acontecer. Trabalhamos com a lógica de eventualmente suspender as próximas rodadas do campeonato gaúcho também, estamos analisando e acompanhando esse tema", finalizou o chefe do executivo estadual.



Assista o exato momento que o governador fala sobre os jogos de futebol:

Foto de capa: Divulgação/RS/Live/Youtube