Bancada do Novo contesta relatório sobre bebidas nos estádios gaúchos e apresentará novo projeto

A Bancada do Partido Novo rejeitou o relatório final da subcomissão que debateu a venda e o consumo de bebidas nos estádios. O deputado estadual Fábio Ostermann votou contrário ao parecer elaborado pelo deputado Tenente-coronel Zucco (PSL). Ostermann criticou a falta de estatísticas para embasar a conclusão do relatório e ressaltou que não há correlação entre a violência e a venda de bebidas no interior dos estádios. "Durante todos os debates realizados ao longo das audiências públicas desta subcomissão, não foram trazidos quaisquer dados que comprovem a diminuição da violência a partir da proibição da venda de bebidas nos estádios", afirmou o parlamentar.


De acordo com Ostermann, Zucco havia assumido o compromisso de redigir um documento isento, mas acabou utilizando o relatório para defender sua opinião pessoal. "Verifica-se que o relator busca apresentar uma falsa neutralidade perante os fatos, mas apela para um frágil argumento de autoridade, na tentativa de validar sua conclusão que, conforme uma simples leitura do relatório, não se ampara em nenhum tipo de evidência, mas em um populismo proibicionista", rebateu. Ostermann ainda criticou a iniciativa do deputado do PSL de protocolar, antes da votação do relatório, projeto de lei que visa a ampliar a restrição da venda de bebidas para o entorno dos estádios de futebol.


Pedidos de informações

Diante da ausência de informações concretas, o deputado estadual Giuseppe Riesgo (Novo) protocolou um pedido de informações junto ao Tribunal de Justiça, Ministério Público, Brigada Militar e Secretaria de Segurança Pública. O partido solicitou a divulgação do número de ocorrências nos estádios de futebol do Rio Grande do Sul antes e depois da lei que proibiu a venda de bebidas nos estádios de futebol. "Não existem números. Existe apenas uma falsa percepção de que a proibição das bebidas melhorou a segurança, mas foi somente após a modernização dos estádios, com câmeras de vigilância e biometria nas torcidas organizadas, que se notou a redução da violência. A verdade é que estamos tapando o sol com a peneira, prejudicando os clubes e punindo o torcedor ordeiro", analisou Riesgo.


Novo projeto

Na Assembleia Legislativa, um grupo de parlamentares de diferentes partidos estuda uma proposta para retomar o comércio de bebidas nos estádios. O objetivo é promover a regulamentação responsável: autorizar a venda, mas com regras. Entre as sugestões avaliadas estão a restrição da venda por ambulantes nas arquibancadas e a proibição de bebidas de alto teor alcoólico, entre outros. Também está sendo discutida a aplicação de multas para os clubes que descumprirem as normas, podendo acarretar até na perda do direito de comercializar as bebidas. Além disso, a proposta que está sendo desenhada prevê o incremento da segurança interna dos estádios, especialmente em jogos de grande porte. Atualmente, 13 estados brasileiros já tem leis que regulamentam o comércio de bebidas em estádios. São eles: Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Alagoas, Amapá, Ceará, Espírito Santo, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Mato Grosso.


Foto: Divulgação/Assembleia