Calor de 44 graus e uma nova cultura, zagueiro gaúcho fala do desafio na Arábia Saudita

O Zagueiro Manolo Godóy atravessou o oceano atlântico para novos desafios na carreira. Depois de disputar a Divisão de Acesso pelo Inter de Santa Maria, o defensor cruzou o país e foi para o Acre. Agora, ele foi um pouco mais longe. O atleta foi apresentado no Al-Kholood Club, da Arábia Saudita.


Natural de Bozano, no interior gaúcho, cidade com 2.233, conforme projeção do IBGE em 2016, o jogador está no maior país árabe na Ásia. A proposta veio quando atuava no Arapongas, do Paraná. Ele foi indicado pelo brasileiro Araújo, que está há dois anos no time, e tem passagens por Esportivo e Guarani de Venâncio Aires. O defensor fechou contrato de um ano com o clube árabe.


"Cheguei aqui e fui muito bem recebido. O clube tem uma estrutura enorme e o pessoal é maravilhoso. O clube está brigando para subir. O time joga a segunda divisão da Arábia Saudita. O campeonato começa só no final do ano. Agora estamos aqui no Egito fazendo pré-temporada. Vamos nos preparar bem para ser campeão no ano que vem", falou o atleta ao site peleiafc.com.

Ele reforça a receptividade do clube e contou estar muito feliz no clube. O contrato é de 12 meses, mas a projeção do zagueiro é renovar por mais temporadas. Na chegada, Manolo enfrentou o primeiro adversário, o calor, que durante o dia chega aos 44 ºC.


"As dificuldades aqui (...) no começo foi um pouco o calor que de dia faz 44 ºC, 45 ºC. De noite fica um pouco mais agradável. A gente treina só à noite aqui, mas eu me adaptei rápido até. A língua só é um pouco complicada, mas eu estou tentando estudar todo o dia para facilitar. Eles falam árabe e também inglês", disse o zagueiro gaúcho.


Araújo (esquerda); Manolo (ao centro); Presidente do clube (direita)


Foto: Arquivo Pessoal