Clubes da Divisão de Acesso formam comissão para tratar da situação contratual

Na quinta-feira, os departamentos jurídicos dos clubes da Divisão de Acesso participaram de uma videoconferência. Os advogados estiveram reunidos pela internet com o departamento jurídico da Federação Gaúcha de Futebol.


Foi o primeiro encontro dos profissionais da área para tratar das questões relacionadas as alternativas para os contratos com jogadores, comissões técnicas e demais profissionais. A primeira decisão do encontro foi a criação de uma comissão dos integrantes da Série A2. Nos próximos dias novas conversas serão realizadas para analisar as possibilidades.


O norte é a Medida Provisória 936/20, do governo federal, que instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. A iniciativa autoriza os empregadores, temporariamente, a reduzir salários e jornadas (por até 90 dias) ou suspender contratos de trabalho (até 60 dias), com direito a estabilidade temporária do empregado e recebimento de benefício emergencial pago pelo governo.


Os clubes vão tentar a suspensão dos contratos através de um acordo coletivo. Na última segunda-feira (6), o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu que a suspensão de contrato deverá ter efeito após o aval de sindicatos. Pela decisão, se o sindicato consultado não se manifestar em até 10 dias, será considerado automaticamente o aval à negociação individual.


Segundo apurou o site peleiafc.com, até o final da primeira quinzena deste mês de abril, os clubes do Acesso deverão apresentar uma proposta ao Sindicato dos Atletas Profissionais do Rio Grande do Sul. A ideia é encaixar os profissionais no seguro-desemprego. Assim, os contatos seriam suspensos e retomados no terceiro mês com o recomeço da competição, previsto para agosto.