Com 15 atletas liberados, Presidente do São Luiz é contra retomada do Gauchão

O futuro do Campeonato Gaúcho segue indefinido. A Federação trabalha com cautela, sem atropelos, devido ao momento de pandemia que o Brasil enfrenta com o coronavírus. As tratativas seguem para terminar o regional dentro de campo. Nesta semana, o governador recebeu uma minuta com possíveis regras para guando o futebol retornar as atividades.


Contudo, a situação parece ser bem mais complicada para a volta das partidas. O próprio governador não vê em um curto espaço a realização de jogos oficiais, já que trabalha com a possibilidade do pico da contaminação de covid-19 para o final do mês de junho no Rio Grande do Sul.


Alguns clubes também já se posicionaram quanto a conclusão do Gauchão 2020. O presidente do São Luiz de Ijuí, por exemplo, revelou à Rádio Gaúcha, na quinta-feira, que o clube já liberou 15 jogadores, pois os contratos venceram.


"No sentido dos atletas, 15 jogadores tinham contrato até o final do abril e já foram embora. De resto temos contratos para Série D do campeonato nacional. Vai fazer dois meses de paralisação e agora para recomeçar vai ser complicado", afirmou o dirigente.


Durante entrevista ao programa Show dos Esportes, com Diori Vasconcelos, Pedro Pittol contou que se a decisão for pelo retorno do Gauchão, o clube terá de chamar alguns jogadores para completar o elenco. Ele frisou ser mais importante neste momento preservar as vidas devido ao coronavírus. "Cada vez ta aumentando o numero de infectados de coronavírus. Vejo uma dificuldade muito grande pelo avanço", relatou o presidente. Para ele, a chegada do frio se torna outro complicador, pois pode aumentar a propagação da covid-19. Na opinião do presidente do São Luiz, o ideal seria de cancelar o estadual.

"Nossa decisão seria parar por aqui. Daí diminuiria a ansiedade e os custos, porque hoje os times do interior têm enormes dificuldades. Os recursos são poucos e estamos lutando com dois problemas: o vírus e a seca aqui. Fomos muito afetados pela estiagem e consequentemente nossos investidores foram afetados e o torcedor também. Com isso vai afetar a nossa receita. Vamos parar por aí e vamos ver para o próximo ano voltar ao futebol normal", ponderou à emissora da capital.


Foto: Divulgação/São Luiz/Facebook