Com salários atrasados, Guarani-VA rompe com empresário

O clima no estádio Edmundo Feix era para ser de tranquilidade e esperança com a possibilidade do clube voltar para a primeira divisão do estado. Contudo, a situação está tensa nos bastidores do time da terra da erva-mate. Prestes a disputar uma partida decisiva contra o Esportivo, pela semifinal da Divisão de Acesso, o Guarani está em dificuldades financeiras que atinge o grupo de jogadores e a comissão técnica. Os salários estão atrasados.


Na última terça-feira, os jogadores não treinaram em protesto, conforme informação divulgada pelo jornal Folha do Mate. Ainda segundo a publicação, o presidente do Guarani, Sérgio Batista e o investidor, Fernando Otto, se reuniram e decidiram romper o acordo firmado no começo da temporada. A informação é que o empresário está com problemas pessoais para repassar os valores ao clube. Para complicar ainda mais, o investidor não concorda com a forma que a diretoria administra o clube e chegou a declarar ao jornal que se o presidente sair, ele paga o que está atrasado.


Para tentar amenizar a situação, cerca de 10 mil reais da renda do jogo contra o Igrejinha, pelas quartas de final, foi dividida entre 30 pessoas. O presidente revelou ao jornal que até sexta-feira espera arrecadar o montante de que falta para quitar o débito com o grupo e a comissão técnica. Desde que firmou a parceria com o clube, Otto conta que já destinou 400 mil reais ao Guarani. A folha do clube na Divisão de Acesso chega a 85 mil reais.


Enquanto isso, o time entra em campo no próximo domingo, às 15h30, contra o Esportivo, em Venâncio Aires, pelo jogo de ida de semifinal do Acesso.


Foto: Tiago Nunes/Peleia FC


Com informações da reportagem do Jornal Folha do Mate, assinada por Rui Borgmann