Comissão aprova relatório final da Subcomissão sobre o consumo de bebidas alcoólicas nos estádios

A Comissão de Segurança e Serviços Públicos aprovou na quinta-feira (12) o relatório final da Subcomissão Mista sobre o consumo de bebidas alcoólicas no ambiente interno dos estádios de futebol. O parecer foi dado pelo deputado Tenente-coronel Zucco (PSL) e aprovado por oito votos a um.


Na leitura do documento, o deputado Zucco deixou clara a sua opinião contrária à liberação, mas a favor da aprovação do relatório final. “Após os debates realizados, ouvidos especialistas, agentes públicos, clubes de futebol e demais interessados no tema, mantive meu convencimento de que a liberação das bebidas alcoólicas nos estádios é prejudicial à saúde e segurança dos seus frequentadores e, de modo geral, à sociedade. Mas, saliento que a votação do relatório não é a votação de liberação ou de veto, e sim do trabalho executado por todos aqueles que estavam envolvidos na Subcomissão”, disse.


Por sua vez, o deputado Sebastião Melo (MDB), integrante da Subcomissão, cumprimentou a condução dos trabalhos feita pelo deputado Zucco. “Foi um comando democrático dos trabalhos. A verdade é que o tema é um verdadeiro Gre-Nal. Caso fosse contratado como advogado, pegaria qualquer um dos lados e teria uma boa tese”, afirmou.


Ao justificar seu voto contrário, Fábio Ostermann (Novo) pontuou que a proibição não é o melhor caminho. “Assistir os debates, muito bem conduzidos pela subcomissão, reforçou a minha posição de que o proibicionismo não é o caminho para resguardarmos a liberdade do torcedor civilizado; e por outro lado, temos a livre iniciativa e a possibilidade de clubes de futebol fazerem um comércio regulamentado, legal, de uma substância lícita, em estádio de futebol”, afirmou.


Além disto, Ostermann reforçou: “Durante todo o debate, não foram trazidos quaisquer dados que comprovem a efetiva diminuição da violência a partir da proibição da venda de bebidas alcoólicas nos estádios. O que fragiliza um dos principais pilares da argumentação para a proibição”.


Foto: Galileu Oldenburg | Agência ALRS