Crise afeta parceria entre empresário e Bagé. Presidente deve entregar o cargo

Sem jogos, sem receitas, saída de patrocinadores e contas a pagar. Essa é a dura realidade dos clubes do interior do Rio Grande do Sul, em meio a paralisação do futebol, com a pandemia de coronavírus.


Na sexta-feira, o jornal Minuano, informou o fim da parceria entre a RCB Empresarial e o Bagé. Foram 18 meses de trabalho conjunto. Em nota encaminhada ao jornal, o empresário Rodrigo Trindade se manifestou sobre o encerramento dos trabalhos.


"Entre altos e baixos, o saldo com certeza é positivo. Vamos ver o que o futuro aguarda. No momento, nunca vivi uma crise tão grave de escassez de dinheiro circulante", declarou Trindade.


O motivo da saída do investidor é exclusivamente por causa da crise econômica gerada pela pandemia. Ainda segundo o periódico, o Bagé deve convocar uma reunião do Conselho Deliberativo e diretoria para debater o futuro do jalde-negro. O encontro deverá ser no dia 15 de julho. O presidente Rafael Alcalde não descarta entregar o cargo. "Creio que meu tempo esgotou à frente da agremiação. Mas sempre estarei ao lado. Fiz o máximo que pude, dentro das minhas limitações de tempo", frisou o dirigente ao Jornal Minuano.


Recentemente, o técnico Arílson também já havia anunciado sua saída do clube. A Divisão de Acesso está prevista para recomeçar em agosto, conforme ficou estabelecido na última reunião entre os presidentes dos times participantes e a Federação Gaúcha de Futebol.


Foto: Peleia FC/ Tiago Nunes