Estrear contra o Brasil sempre é difícil, avalia técnico do Aimoré

O Campeonato Gaúcho 2021 começa no sábado (27) e o Aimoré, do técnico Gilson Maciel, estreia fora de casa, em duelo contra o Brasil-Pel, no Bento Freitas, às 22h. Após cerca de sete semanas de treinamentos na pré-temporada, com amistosos e implementação de sua metodologia, o comandante Capilé avaliou o momento que chega a equipe para o confronto contra o Xavante.


“A avaliação até agora foi extremamente positiva, já que é um grupo totalmente novo que montamos. Estamos formando um time agora, a rigor. Nas primeiras semanas de atividades ficamos atentos à parte física integrada com a técnica. A partir disto fomos colocando nosso modelo de jogo. Depois começamos com os amistosos, para os jogadores se conhecerem, aumentando o nível de exigências conforme os dias passando, como os últimos com Caxias e Pelotas. Entendo que o saldo seja extremamente positivo, porque mesmo com pouco tempo, já vemos boas situações de modelo de jogo e atuação no todo”, disse Maciel.


Em cinco partidas, entre jogos-treinos e amistosos, o Aimoré venceu quatro e empatou um. Com história enquanto jogador no Brasil-Pel, onde foi artilheiro do Gauchão de 1992, ídolo rubro-negro, o treinador Gilson Maciel salienta a força do adversário e demonstra respeito no confronto.


“Estrear contra o Brasil sempre é difícil, ainda mais lá em Pelotas, porque hoje eles se encontram em outra realidade, muito diferente, em nível de Série B. Tenho um carinho grande pelo que vivi também naquele estádio e a lembrança é sempre boa, do clube, da torcida, do local. Infelizmente, pelo contexto mundial, não temos torcida no Bento Freitas, mas carrego ótimos momentos na memória. Quanto ao jogo, ao momento Xavante, sabemos que muitos jogadores saíram, mas o técnico ficou, alguns atletas remanescentes, outros contratados, a ideia de trabalho permaneceu, metodologia do Cláudio Tencati, então deve seguir o que vinha sendo feito de maneira positiva e forte. A gente vai para esse jogo confiante, mesmo sabendo de todas as dificuldades, porque a competição é curta, onze jogos. Precisamos arrancar bem para crescermos dentro daquilo que pretendemos”, finalizou.


Foto: Fernando Campos/Aimoré