Gaúcho é o primeiro clube profissional do Rio Grande do Sul a ter sistema de energia solar

Atualizado: Jan 25

Após anos com diversos problemas na justiça com o antigo estádio Wolmar Salton, o Gaúcho de Passo Fundo deu um grande salto na sua história com a construção de uma nova casa. Desde 2016, o clube usufrui de uma moderna estrutura no interior.


Apesar de não ter entrado em campo em 2020, devido à pandemia que cancelou a Terceirona Gaúcha, a direção investiu no estádio. A novidade ficou por conta da implantação de um sistema de captação de energia solar. Segundo informação do repórter Kleiton Vasconcellos, do Jornal Diário da Manhã, as placas foram colocaram na cobertura da Arena BSBios. São cerca de 130 painéis.


O clube gastava cerca de 5 mil na conta de luz, incluindo o complexo do Ginásio Teixeirinha, administrado pelo Gaúcho. O sistema, formando SCG, as iniciais do time, deve gerar uma economia de R$ 4,5 mil por mês. Desta forma, a conta deve cair para R$ 500,00. Em 25 anos, a projeção é de economizar R$ 752 mil


“Com a instalação da energia solar vamos gerar 5000 KWh por mês, ou seja, teremos um excedente de 1500 KWh por mês que permanece como crédito na RGE por cinco anos. Isso significa que se precisarmos de um consumo alto, tipo shows no ginásio, teremos uma reserva de energia para gastar sem exceder o consumo mensal” contou Glênio Cordeiro, supervisor do clube, ao jornal.


Conforme o jornal, o Gaúcho é o 1º clube profissional de futebol do estado a ter este sistema. O clube ainda conta com o sistema de reuso da água para irrigação do campo de jogo.


A direção também investiu em outras melhorias na Arena. Um campo de treinamentos foi construído. Agora, o clube também conta com uma academia completa com 16 aparelhos e departamento de fisioterapia com 10 equipamentos.


Foto: Divulgação

Com informações de Kleiton Vasconcellos/Jornal Diário da Manhã