"O Brasil não tem estrutura. Foi um milagre estar na Série B", admite presidente

Após o segundo rebaixamento seguido, o Brasil de Pelotas vai jogar a Série D do Brasileirão em 2023. O clube vive um momento delicado nos últimos anos em nível nacional. A equipe despencou da Série B direto para D, com uma passagem relâmpago pela C.


Nesta semana, após a queda, o presidente Evânio Tavares fez um balanço do ano Xavante em entrevista a TV do clube. Sem enrolar, o dirigente foi cirúrgico na sua fala e admitiu uma série de situações, como atraso salarial.


O presidente também colocou o dedo na ferida. Ele foi enfático ao falar que o Brasil de Pelotas não tem estrutura para estar em uma Série B, competindo com outros clubes bem mais estruturados.


"Se o Brasil tivesse se estruturado não tinha caído. O Brasil não tem estrutura. Estávamos vivendo um sonho na Série B. Se não tem estrutura como vai sustentar o futebol. O Brasil não tem refeitório, não tem alojamento próprio, um local para área técnica e fisioterapia. Quando eu entrei no clube pensei que o Brasil estava legal. Nas viagens na Série C procurei conhecer os clubes. E é algo fantástico a estrutura dos outros clubes na área de fisiologia. Comecei a comprar e a gente não tem nada. Foi um milagre o Brasil estar na Série B", declarou o mandatário rubro-negro.


O Tavares ainda completou que o Brasil precisa ter um CT, um gramado melhor do Estádio Bento Freitas e mais estrutura interna para dar suporte ao futebol. Ele fala em buscar investidores e ter mais recursos para estruturar o clube para voltar a crescer no cenário nacional. Ele ainda descartou, neste momento, transformar o Brasil em SAF. A prioridade, se continuar no cargo, é buscar investidores.


"Não tem como fazer SAF agora. É estruturar o clube primeiro, temos que ver qual valor o clube tem. São investidores para reestruturar o clube primeiro e futuramente pensar em SAF. Tem que passar pelo conselho e estatuto. É muito abrangente. Investidor não, é mais rápido", comentou.


Imagem: Reprodução TV Xavante