Presidente do Bagé vê exagerada punição de 11 jogos, mas defende mudança na relação com a arbitragem

Durante o programa "Na Gaveta", transmitido pela internet, no dia 7 de dezembro, o jornalista Yuri Dias recebeu o presidente do Bagé, Rafael Alcalde. Além dos temas relacionados ao futebol e as melhorias na infraestrutura no estádio da Pedra Moura, o dirigente comentou sobre a recente punição de perda de 11 jogos imposta pela TJD.


Em um dos julgamentos, o jalde negro foi punido com 8 mandos pela agressão ao árbitro Dakimalo Gomes durante a Copa Ibsen Pinheiro e também por xingamentos e invasão de um integrante da comissão técnica durante uma partida da copinha. Em um segundo julgamento, por intimidação ao representante da FGF e "deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens em sua praça de desporto", o clube perdeu mais 3 mandos.


Somente neste ano de 2020, o Bagé já acumula 13 perdas de mando. São 11 pela Copa FGF e duas pela Divisão de Acesso. No caso da Série A2, a punição também foi relacionada a agressão a arbitragem.


Na entrevista ao jornalista, o presidente do Bagé viu como exagerada a punição ao clube, que estuda recorrer. Contudo, o Alcalde admite que o clube precisa mudar a sua relação com a arbitragem após os episódios deste ano.


"Na Copinha de 2021 vamos cumprir esses 11 jogos que é absurdamente demasiada. Mas temos que melhorar essa relação que está quase inviável com a arbitragem. Nada justifica agressão, mas a punição em 11 jogos não tem explicação é algo inédito no futebol", comentou o dirigente.


Foto: Arquivo Pessoal