top of page

Presidente do São Gabriel expõe problemas financeiros após a Divisão de Acesso

Em entrevista ao Jornal Diário de Santa Maria, o presidente do São Gabriel expôs problemas financeiros do clube após o fim da Divisão de Acesso. Em conversa com o jornalista Gilson Alves, o mandatário Max Lara detalhou as contas do time. Segundo o dirigente, são dívidas do passado e do presente.


"Clube tem uma série de dívidas antigas que hoje batem a porta. Desde dívidas tributárias, fornecedores e prestadores de serviços, sem falar de ações trabalhistas que foram julgadas a revelia, sem defesa, pelo clube no passado. Esse ano, foram sete jogos em casa (Estádio Sílvio Faria Corrêa), e tivemos cinco rendas penhoradas por dívidas trabalhistas. Hoje, a prioridade é pagar os atletas e profissionais que fizeram a temporada de 2023", declarou o dirigente.


Lara admitiu que o clube tem dívidas com o elenco da divisão de acesso em relação ao último salário e a rescisão dos jogadores. A diretoria busca recursos, mas a situação é delicada.


"Vamos realizar algumas ações para o mês de setembro, no qual o clube completa 10 anos de fundação. O nosso torcedor e a cidade irão ser determinantes para tirar o clube dessa situação. Eles precisam abraçar o São Gabriel", declarou o presidente, que respondeu ainda se o clube corre o risco de fechar as portas:


"O montante da dívida não chega a ser algo sem condições de administrar, mas o que falta é apoio mesmo tanto de patrocinadores quanto dos torcedores ajudarem o ano todo. Temos uma das melhores médias de público da Divisão de Acesso, mas precisamos desse apoio o ano todo. Só a cidade e a torcida abraçando o clube podem tirar o São Gabriel dessa situação".


Foto: Peleia FC

1 Comment


Vejam bem, não é só com o SANAGA q isso acontece, é com TODOS clubes do interior da segunda divisão e com 98% dos da DA e alguns da principal.....não tem mais como fazer futebol profissional no interiorzão do RS, a FGF faz o q pode e não da conta. Clubes, peçam licença do futebol profissional, mantenham apenas a BASE em atividade por no minimo 5 anos...ai bem organizado, num prazo de 8 a 10 anos depois de iniciar esse processo, poder-se-á ter algum resultado.

Like
bottom of page