Temos que pensar nos atletas e suas famílias, afirma presidente do Inter SM


No último final de semana, mais uma videoconferência foi realizada entre o presidente da FGF e dirigentes do interior. A pauta era a Divisão de Acesso. Luciano Hocsman tem mantido contato direto com os clubes nesta paralisação do futebol gaúcho devido a pandemia de coronavírus.

Segundo revelou o presidente do Inter SM, Jauri Daros, à Rádio Imembuí, os clubes deverão negociar individualmente com os seus elencos, pois o Sindicato dos Atletas do estado é subordinado a Federação Nacional dos atletas. 

"Cada clube ficará por si negociar com os jogadores. Duas linhas são estudas junto com a FGF para achar um denominador comum pra todos para que o campeonato continue daqui um tempo. Só que neste período temos que amparar os jogadores e funcionários", contou o dirigente.

No total, são cerca de 600 pessoas cadastradas na FGF entre jogadores e membros de comissões técnicas na Divisão de Acesso. Uma das alternativas seria tentar colocar os profissionais no seguro desemprego.


"Falei com Ricardo Attolini, gerente do Passo Fundo, vamos conversar com alguns Deputados Federais. Conversei com Marcelo Brum, de Santiago, para acharmos uma forma de amparar os atletas nesse intervalo. Clubes não tem como bancar 3 a 4 meses de salario sem renda. O presidente da FGF está tentando uma outra situação, mas pediu para que não comentássemos", explicou Daros.

Durante entrevista a repórter Angélica Varaschini, o presidente do Inter SM também foi claro quanto a sua opinião sobre o futuro da Divisão de Acesso. Ele é contra o cancelamento do campeonato. E o foco, neste momento, é achar uma solução para os profissionais que dependem dos seus salários.


"Durante a semana, o presidente Luciano terá a resposta de uma outra solução. Temos que pensar nos atletas e suas famílias. Eles dependem disso", resumiu o mandatário.


Foto: Renata Medina/Inter SM/Divulgação