Tetracampeão Branco é eternizado com estátua em Bagé

Eram 9h da manhã de sábado quando os primeiros pingos começaram a molhar a terra na Praça de Esportes da cidade de Bagé, no interior do Rio Grande do Sul. O prenúncio de uma tempestade poderia até mudar os planos dos organizadores do evento. O protagonista do dia, contudo, decretou: "a água benta" era mais um presente divino naquele momento tão aguardado. Cláudio Ibrahim Vaz Leal, o Branco, o desportista mais famoso dos 210 anos de história da Rainha da Fronteira iria, mesmo debaixo de muita chuva, receber a homenagem tão significativa no ano que marcou o seu renascimento.


"Campeão Brasileiro, da américa e do mundo como atleta. Como dirigente, campeão mundial de todas as categorias de base e medalha de ouro em Tóquio. Nossa eterna gratidão ao Cláudio Ibrahim Vaz Leal - Branco. O maior desportista deste 210 anos da nossa história! Orgulho de Bagé, do Rio Grande do Sul e do Brasil", a frase na placa descritiva resume a importância do homenageado para a história do futebol brasileiro e da Seleção.


Já sob muita chuva, por volta das 11h30 deste sábado (23), amigos, familiares, personalidades do futebol, políticos locais e cidadãos de Bagé receberam o tetracampeão na praça localizada na região central da cidade. Acompanhado do prefeito de Bagé, Divaldo Lara, do vice-presidente da CBF, Francisco Noveletto, e do irmão Marcelo Leal, Branco revelou aos convidados a imagem que, a partir de agora, o eterniza para sempre na história de Bagé.


A estátua representa Branco em um dos momentos mais especiais de sua vitoriosa carreira: a conquista da Copa do Mundo de 1994. O monumento retrata o camisa 6 erguendo a taça mais desejada do planeta.


"Uma homenagem desta eterniza a história de uma pessoa, de um atleta. Neste ano tão importante para mim. A maior conquista foi a da vida. Depois veio a Olimpíada e agora essa estátua para fechar. Agradecer a Deus que é fiel a gente. Peço que se cuidem e todos tenham muita saúde" disse o emocionado Branco.


"Todos os apaixonados pelo futebol estão felizes por essa homenagem ao Branco, um orgulho para nós, gaúchos, e para todos os brasileiros. Me perguntaram há pouco se eu estava representando a CBF. Disse que não. O Branco é a própria CBF", exaltou Francisco Noveletto, vice-presidente da CBF e representante da entidade na inauguração.


Noveletto refere-se à carreira vitoriosa de Branco com a Seleção Brasileira, seja como atleta e dirigente. Depois de Zagallo, ele é o ex-jogador vivo com mais conquistas relevantes representando a Amarelinha. São quatro conquistas de Copa do Mundo, uma como atleta (1994) e três como coordenador nas categorias de base. Conquistou uma Copa América, em 1989. Soma-se ainda o título mais recente em Tóquio: o bicampeonato olímpico. Além disso, como jogador disputou duas outras Copas do Mundo (86 e 90). Vestiu a Amarelinha em 78 ocasiões e marcou 10 gols, sendo o mais importante contra a Holanda nas quartas de final da Copa do Mundo de 94.


O ex-lateral esquerdo da Seleção Brasileira e atual coordenador das categorias de base da CBF fez questão de recordar o drama pessoal vivido no início de 2021 após a intubação por conta do Covid. O dirigente não cansa de dizer que 2021 representou o seu renascimento:


"Esse ano foi muito especial para mim. Voltei e o velhinho lá em cima foi tão generoso comigo. Três meses depois me deu um título que eu não tinha, que era a medalha olímpica. E agora estou aqui recebendo essa homenagem inesquecível".


A estátua de Branco foi financiada por amigos e familiares do ex-jogador, como o apoio do prefeitura. Agora, o ex-jogador tem duas estátuas em sua homenagem no mundo. No Museu do Porto, em Portugal, Branco já tinha uma na sala que cultua os principais jogadores que passaram pelo clube.


As homenagens para Branco terminaram com almoço de confraternização oferecido pela Associação Rural de Bagé.


Foto: Divulgação/CBF