Caxias divulga protocolo de retorno aos treinos

Na segunda-feira (18), o Caxias divulgou o protocolo de retorno aos treinamentos, elaborado pelo Departamento Médico do clube baseado em diversos outros documentos dos órgãos de saúde responsáveis.


O protocolo possui diversas etapas e orientações aos atletas, comissão técnica e funcionários, assim como etapas de cuidados que devem ser observados desde a saída de casa, a chegada ao CT, nas atividades e no retorno à residência. O protocolo também prevê testagem para a COVID-19 a cada 10 dias.


O documento foi apresentado também à Prefeitura de Caxias do Sul para posterior avaliação. Os treinamentos ainda estão suspensos, porém o Caxias segue aprimorando todos os cuidados conforme os órgãos de saúde responsáveis.


Confira abaixo as etapas de segurança presentes no protocolo:


Departamento Médico S.E.R. Caxias


Dr. Aloir Neri de Oliveira, Dr. Jeferson Luiz Mezzomo, Dr. Rafael Lessa Costa, Dr. Giorgio Marin Canuto, Dr. Aloir Neri de Oliveira Júnior e Dr. Luciano Neto Santos. Fisioterapeuta: Marcelo Boff.


Etapa 1 - Orientações em casa, antes do retorno aos treinos


1. Todos os atletas, comissão técnica e funcionários do centro de treinamento devem realizar o exame de sorologia aproximadamente 48h antes da reapresentação para o primeiro treino a fim de determinar os “imunes e não imunes”. Os “imunes” serão caracterizados como sendo aqueles que apresentam teste IgG positivo e, os “não imunes”, aqueles com tal teste negativo.


2. Atletas que apresentarem teste IgG positivo devem realizar um teste ergoespirometria para avaliar possíveis alterações cardiopulmonares provocadas pelo coronavírus que possam implicar em risco para a atividade esportiva.


3. Atletas que apresentarem teste IgG positivo devem realizar exames laboratoriais: D-dímero, hemograma, ferritina e DHL para melhor avaliação e seguimento clínico. Em casos sintomáticos deverá ser realizado tomografia computadorizada de tórax.


4. Aqueles que forem caracterizados como “não imunes”, isto é, com teste IgG negativo, deverão realizar, rotineiramente, a cada 10 (dez) dias exame de triagem para Covid19, mesmo que assintomáticos. Isto se faz necessário para prevenir transmissão de infecção a partir de indivíduos oligossintomáticos e em virtude da janela imunológica da doença (7-10 dias).


5. Todos os resultados dos testes serão analisados individualmente pela equipe médica e reportados aos indivíduos e, no caso de resultados positivos, às autoridades de saúde pública por se tratar de doença de notificação compulsória.


6. Indivíduos que apresentarem sintomas no retorno às atividades ou se houver necessidade serão submetidos ao exame de RT-PCR de acordo com parecer do departamento médico do clube. Neste momento, tanto o indivíduo, quanto aqueles que tiveram contato próximo (por exemplo, os atletas do mesmo grupo reduzido de treinos) serão preventivamente afastados até o resultado do exame daquele que estava sintomático.


7. No caso mencionado acima, se teste positivo, todos os outros indivíduos que tiveram contato próximo com o doente (por exemplo, os atletas do mesmo grupo reduzido de treinos) deverão, obrigatoriamente, ser submetidos ao exame de RT-PCR para investigação epidemiológica.


8. Será criado um questionário – “return to play” com pontuação (vide anexo 6) para todos os jogadores e membros de comissão técnica afim de identificar precocemente todos casos suspeitos.


9. Será realizado um monitoramento diário dos atletas, comissão técnica e staff através da análise do questionário.


Etapa 2 - Saindo de casa


10. Lavar as mãos com água e sabão. Ter álcool gel no carro e utilizá-lo adequadamente.


11. Não dar carona. Ou seja, os atletas não deverão compartilhar o mesmo veículo, a fim de diminuir o risco de contágio.


12. Dirigir da sua casa para o centro de treinamento sem parar em nenhum local, exceto em casos que seja extremamente necessário. Em caso de parar em outro lugar, manter os cuidados de distanciamento.


Etapa 3 - Chegando ao centro de treinamento


13. Na portaria do clube, sem descer do carro (isto é, pela janela do veículo aberta), o atleta terá sua temperatura corporal aferida por termômetro infravermelho. O funcionário responsável pela aferição da temperatura corporal deverá, obrigatoriamente, utilizar todos os equipamentos de proteção individual, que são: a) máscara N95 ; b) capacete do tipo face shield ; c) touca cirúrgica ; d) avental cirúrgico impermeável ou macacão impermeável ; e) luvas de procedimento descartáveis e f) botas impermeáveis.


14. Todas as pessoas que entrarem no centro de treinamento terão sua temperatura aferida por termômetro digital infravermelho. Caso a temperatura esteja acima de 37,5 graus Celsius, o médico determinará a conduta adequada. Se outros sintomas, obrigatoriamente, deverá se fazer teste RT-PCR para Covid19 e, consequentemente, afastamento como descrito no item 6.


15. Antes de descer do carro, limpar as mãos com álcool gel. Se certificar de que esteja usando máscara e manter seu uso durante todo o período em que permanecer dentro do centro de treinamento.


16. Descer do carro somente com o que for estritamente indispensável para o treino ou trabalho.


17. Não cumprimentar ninguém com abraço, beijo ou aperto de mãos.


18. Os jogadores não terão acesso aos vestiários. Todos receberão, no primeiro dia de retorno, os kit de uniformes de treinamento e farão a higienização dos mesmos em seu domicílio.


Etapa 4 - Orientações durante o treino


19. As áreas de fisioterapia e musculação serão separadas e utilizadas em grupos pré- determinados pela comissão técnica, mantendo todas as normas de cuidados preconizados pelo Ministério da Saúde.


20. Os horários de tratamento na fisioterapia deverão ser individuais, com intervalo de uma hora entre os tratamentos. Isto se justificativa pelo tempo necessário para a deposição de aerossóis sob a superfície. Após uma hora, entre uma sessão de fisioterapia e outra, todas as superfícies e materiais deverão, obrigatoriamente, ser higienizados com álcool.


21. Cada jogador deverá levar sua garrafa para hidratação e suplementação. A higiene dos mesmos deverá ser realizada em domicílio.


22. Cada atleta deverá zelar pelo seu material, não sendo permitido compartilhar toalhas, coletes, meias, chuteiras e caneleiras.


23. Os treinos acontecerão em grupos de 6-8 jogadores, mantendo o distanciamento de 2 (dois) metros entre os mesmos nas atividades, incluindo membros de comissão técnica. Estes grupos serão definidos pela comissão técnica. Sugere-se que os grupos se mantenham em todas as sessões de treinos, exceto conforme alterações no quadro clínico.


24. Em caso de queixas clínicas ou ortopédicas os indivíduos serão avaliados pelo departamento médico, com a ressalva de apenas 1 indivíduo no consultório e o médico, seguindo todos os cuidados de higienização preconizados pelos ministério da saúde.


25. Os membros do departamento médico e de fisioterapia deverão usar EPI.


Etapa 5 - Orientações após o treino


26. Lavar bem as mãos com água e sabão.


27. Levar para casa materiais utilizados durante o treino (toalha, chuteira, caneleira, garrafas).


28. Todos os indivíduos que necessitarem de atendimento (departamento médico e fisioterapia deverão tomar banho antes do ingresso na sala, passar álcool gel e fazer uso de máscaras). Os ambientes devem se manter com as janelas abertas, arejado, sem uso do ar condicionado.


29. Todas as propostas de recovery deverão ser orientadas pela fisioterapia para serem realizadas em casa.


30. Não haverá refeições no centro de treinamento. Os lanches serão distribuídos em kits individualizados, seguindo as normas preconizadas pela ABRAN e ASBRAN.


31. Sugere-se que não entrem no centro de treinamento pessoas que não estão envolvidas no trabalho.


32. Ao término das atividades deve-se entrar no veículo e retornar para casa.


Etapa 6 - Chegando em casa


33. Retirar a roupa e colocá-la para lavar. Tomar banho. Não tocar em nada e em ninguém antes do banho.


34. Higienizar todos os itens de uso pessoal como celular, óculos, etc, com álcool gel ou álcool 70%.


35. Evite uso de elevadores e ambientes comuns.


36. A orientação de isolamento social deverá ser respeitada fora do ambiente de trabalho.


37. Todas as regras do jogo limpo prevalecem, sendo passível aos atletas serem submetidos a exames antidoping neste período.


38. As medicações, em geral, utilizadas para os sintomas de febre (antitérmicos) não geram testes adversos positivos no controle de doping. Porém, não se deve utilizar nenhuma medicação sem antes consultar o departamento médico do clube.


39. Casos que necessitarem de internação ou uso de medicação em urgência ou emergência médica, o médico do clube deverá ser avisado e sinalizar a CBF e ABCD todas as medicações utilizadas e se necessário realizar preenchimento retroativo de AUT com documentação comprobatória.


Etapa 8 - Orientações gerais


40. Os grupos de risco deverão se manter afastados das atividades do centro de treinamento: maiores de 60 anos, obesos, portadores de doenças cardiovasculares, hipertensos e diabéticos.


41. Em casos de familiares sintomáticos e/ou COVID-19 confirmados – comunicar imediatamente o departamento médico.


42. A flexibilização inicial sugerida por nós, em consonância com as orientações preconizadas pela CBF, após liberação pelas três esferas da saúde (Federal, Estadual e Municipal) será de retorno aos treinos, sem previsão de viagens.


43. Todos os casos assintomáticos com teste positivo, sintomáticos, suspeitos devem ser comunicados imediatamente ao departamento médico.


Foto: Milena Soares/Dinâmica Conteúdo