Clubes da Divisão de Acesso empregam mais de 150 pessoas para dar suporte ao futebol

A Divisão de Acesso é uma importante fonte de receita para inúmeras famílias no Rio Grande do Sul. A competição gera centenas de empregos dentro e fora de campo. Com jogadores são cerca de 400 vagas e na área técnica mais 100.


Para dar suporte ao departamento de futebol, outros inúmeros empregos são necessários. Não é apenas colocar o time em campo e jogar. Existe uma rede de apoio que muitas vezes não aparece para o torcedor. São profissionais que trabalham diariamente nos bastidores de um estádio de futebol.


Homens e mulheres como supervisores, fisioterapeutas, massagistas, roupeiros, cozinheiras, serviços gerais, gerentes, assessores de imprensa, administrativos, guardas e motoristas. Nem todos os clubes tem esses profissionais. Alguns fazem parcerias e outros acumulam funções. Em média são 10 profissionais para esse suporte por clube. O número pode ser maior ou menor dependendo das necessidades de cada estádio e planejamento da temporada.


Juntando os 16 participantes da Série A, a gama de empregos gerados para essa área é de 160 vagas no estado. Normalmente, o investimento mensal fica na casa de R$ 10 mil a R$ 15 mil para bancar a folha salarial.