Com 4 acessos na carreira, Gustavinho projeta a volta da Divisão de Acesso após um ano

Ele conhece muito bem o caminho para uma equipe subir de divisão. Gustavo Engel é canhoto e o legítimo camisa 10, peça rara no futebol do interior atualmente. Entre os amigos e torcedores é conhecido como G10. Com o peso e a responsabilidade da numeração de carrega nas costas, o jogador já subiu de divisão no cenário regional e nacional com quatro times diferentes.


Com a camiseta do Brasil de Pelotas, Gustavinho conquistou o acesso para Série C do Brasileirão em 2014. Um ano depois repetiu o sucesso e, com pé calibrado, levou o Ypiranga também para a Série C nacional. No âmbito estadual, subiu com Avenida em 2011 para o Gauchão, mesmo feito conquistado com Cianorte, no Paraná, em 2016. 


"Tenho muito orgulho desses quatro acessos. Claro que tem aquele especial. Com Avenida foi muito legal, pois foi o primeiro como atleta, mas o que me marcou foi em 2014 com o Brasil de Pelotas, clube que sempre sonhei em jogar e ainda fui campeão do interior no Xavante. Além do título do interior foi o ano do acesso com Brasil. O ano de 2015 também foi especial, porque saí do Brasil e no ano seguinte com Ypiranga também subi de divisão com meu grande amigo e jogador Claudinho. No Paraná, conquistei o terceiro acesso seguido com Cianorte, mas no estadual", comentou G10. 


Na temporada passada, o atleta estava no grupo do Igrejinha quando a Divisão de Acesso foi paralisada devido à pandemia da covid-19. Depois de muita indefinição, o campeonato foi cancelado. O meia vinha se destacando no Igrejinha com os chutes de longa distância. Agora, o atleta comemora o retorno do campeonato após um ano de muito sofrimento para os jogadores que vivem do futebol. 


"Estou nessa expectativa do campeonato voltar. Muitos atletas não conseguiram se empregar depois que a Série A2 foi cancelada em 2020. É uma competição aguerrida e de muita tradição. Te move a querer lutar, vencer e subir a equipe. É um perfil mais aguerrido, de Gauchão mesmo. Estamos ansiosos pela volta", declarou o meia. 


Neste período sem futebol, o atleta teve que se adaptar à nova realidade imposta pela pandemia. O jogador analisa duas situações para sequência da temporada e treina semanalmente com um personal para manter a forma física e chegar preparado. 


"A gente não pode parar. O atleta profissional tem que estar sempre em dia na parte física. Foi um ano atípico, nunca fiquei tanto tempo sem atuar. Estou sempre treinando. Meu biotipo me ajuda bastante neste sentido. É tudo uma questão de adaptação. Quando voltar, teremos uma pré-temporada de um mês no mínimo, mas já venho treinando. Fui adaptando e treinando com profissionais aqui de Santa Cruz do Sul para estar na minha melhor forma física na pré-temporada", explicou Gustavinho.


Aos 31 anos, Gustavinho tem uma vasta experiência pelo futebol gaúcho do interior. Ele já vestiu as camisetas de equipes como Brasil de Pelotas, Avenida, Santa Cruz, Bagé, Ypiranga, Riograndense-SM, Passo Fundo, Brasil-Far, São Paulo e também fora do país. No exterior, chegou a jogar na Suiça em 2018.


Foto: Divulgação/Goiânia