top of page

Jogador é detido após jogo da Terceirona Gaúcha

Um jogador do Cruz Alta foi detido após a partida contra o Gramadense no último domingo. A partida foi realizada no Estádio Vila Olímpica, em Gramado. O time da casa venceu pelo placar de 4 a 0.


Na súmula da partida, o árbitro Marcelo Oswald Bitelbron relatou que encerrado o jogo, integrantes do time do Cruz Alta se desentenderam com os policiais que faziam a segurança do jogo.


"Informo que após encerrada a partida, a equipe do Cruz Alta, ao se deslocar para o seu vestiário, se desentendeu com a equipe da Brigada Militar. Dentre esse desentendimento, a Brigada necessitou utilizar disparos de bala de borracha ao chão para dispersar os atletas. Sem mais", declarou o árbitro na súmula.


Conforme o site Leia Fácil, de Gramado, um atleta foi levado para a delegacia após ir buscar uma bola na lateral do campo e desferir um palavrão contra um oficial da Brigada Militar. A BM se manifestou através de nota divulgada pelo Leia Fácil.


"No dia 12 de novembro, por volta das 17h, no Estádio Vila Olímpica, em Gramado, durante a partida, o atleta da equipe do Cruz Alta desacatou um soldado da Força Tática com palavras de calão (palavrão). A guarnição informou ao técnico do clube, bem como ao delegado, de que ao término do jogo, o jogador responsável pelas ofensas fosse apresentado para confecção da documentação pertinente", diz a nota.


O comunicado da BM ainda relata que ao final da partida, o jogador foi chamado, momento que tentou fugir para o interior do vestiário.


"desobedecendo às ordens emanadas, ato contínuo, passou a resistir ativamente contra a equipe, sendo necessário uso da força para contenção do jogador, momento em que a equipe do Cruz Alta investiu contra a equipe da Força Tática. Diante dos fatos e pelo tumulto causado, foi necessário remover o jogador do ambiente, sendo o mesmo encaminhado ao hospital para realização de exame de lesões e posteriormente a delegacia para o registro, onde foi lavrada a ocorrência", diz a nota da BM.


O atleta, que não teve o nome divulgado, foi liberado e responderá em termo circunstanciado. Até a publicação desta reportagem, o Cruz Alta não havia se manifestado sobre o caso.

コメント


bottom of page