"Jogamos sempre com pontas, tentando propor o jogo", o estilo de Paulo Henrique no São Luiz

Ele já é um grande conhecido da torcida do Rubro. Nos últimos anos esteve com o clube em grandes campanhas no Gauchão, inclusive no último acesso, naquela bonita campanha de 2017. Depois de um breve hiato, ele está de volta em Ijuí para comandar o São Luiz em mais um Campeonato Gaúcho: conheça um pouco mais sobre o técnico Paulo Henrique Marques.


Paulo é natural de Santa Rosa-RS, iniciou como treinador no comando das categorias de base da SER Santo Ângelo, em 1998, após encerrar sua carreira como jogador. Em 2002 teve sua primeira oportunidade como técnico profissional, passando por clubes como Veranópolis, Passo Fundo, Avenida, Esportivo. Em 2013, teve uma campanha vitoriosa no Tupi, de Crissiumal, com a conquista da Série B do Campeonato Gaúcho naquele ano.


Chegou ao São Luiz em 2016, iniciando sua trajetória em Ijuí, então veio 2017 e a campanha do Acesso com título, jogando em casa. De volta à elite Gaúcha, o treinador seguiu no comando em 2018. No ano seguinte, fez mais uma grande campanha, ficando em quarto lugar na principal competição do Estado, o que garantiu participação na Série D do Brasileirão e também na Copa do Brasil. Em 2020 Paulo Henrique se transferiu para o Ypiranga, e voltou ao São Luiz no fim do mesmo ano, comandando a equipe nos últimos jogos da Série D. E agora o técnico terá, em 2021, mais um Gauchão junto com o Rubro.


O futebol é sua grande paixão, desde criança, sempre influenciado pelo pai, que também era do meio da bola. Este incentivo paterno continua sendo o principal motivo para seguir no meio. Já que, segundo Paulo, ajuda a diminuir o estresse do dia a dia e o motiva nos grandes desafios a manter a tranquilidade para comandar e gerir os grupos.


“Tem horas que cansa, porque é muito desgastante, principalmente o mental. Eu canso mais agora do que quando eu jogava, porque aqui tu não cansa tanto o corpo e sim a mente, cuidando de todos. Isso porque, às vezes, tu ganha o jogo mas dois jogadores não jogaram bem e tu acaba se preocupando, por exemplo”, conta.


Sobre o jogo, Paulo Henrique desenvolve a ideia de a equipe defender e atacar forte, sempre mantendo a organização tática e o maior nível de competitividade possível. Durante a carreira ele foi alterando sua maneira de jogar: no começo usava mais os três zagueiros, ao longo do tempo passou a preferir um meio campo mais reforçado, até chegar ao estilo de jogo mais ofensivo das últimas cinco temporadas.


Paulo também comenta sobre este estilo de jogo que vem dando certo nos últimos anos, com resultados positivos e possibilitando o Rubro a pensar grande nos campeonatos.


“Jogamos sempre com pontas, tentando propor o jogo, fazer bonito, não um jogo truncado. A gente ataca e quer ficar com a bola, abrindo os laterais, começando o jogo com os zagueiros, com o goleiro jogando com o pé sempre que possível, e com a velocidade na frente”, complementa.


Foto: Divulgação/Lucas Dorneles/São Luiz