O Último Bombardeio: Quarenta anos depois, Riograndense-RG proporciona a despedida de um ídolo


A história de um clube de futebol precisa ser lembrada e celebrada. No futebol gaúcho do interior, os ídolos não podem cair no esquecimento. As novas gerações precisam conhecer o passado para comemorar no futuro. Um clube de futebol não vive apenas do presente e precisa rememorar suas décadas. O Riograndense, de Rio Grande, marcou um golaço ao proporcionar a despedida dos gramados de um jogador histórico do Guri Teimoso, Antonio Azambuja Nunes, o Nico.


Um dos maiores centroavantes da história do futebol do interior balançou a rede pela última vez com a camisa do seu time do coração. Em uma "despedida oficial", Nico, a lenda viva do Riograndense-RG entrou em campo com a camisa do Guri aos 80 anos. E não faltou seu gol.


Como tantos pênaltis batidos sem nunca ter errado algum, a velha classe apareceu e deslocou o goleiro adversário para delírio da torcida e seus fãs que estavam em campo para o confronto entre "Amigos do Nico x Seleção da Imprensa". O jogo foi realizado no final de semana passado no Estádio Torquato Pontes, palco que ele balançou as redes e levantou a torcida de alegria com seus gols.


O amistoso terminou com vitória do guri sobre a imprensa por 3 a 1. Os gols foram de Claudir, Paulo André (presidente do clube) e Nico. Já a imprensa descontou com Harley.


HISTÓRIA


O "Bombardeador" marcou mais de 800 gols na sua carreira. Ele entrou em campo durante 20 anos como atleta profissional nos anos 60. No Campeonato Gaúcho de 1967, o goleador fez 17 gols. O apelido veio pela potencia do chute. Em 2017, Nico virou livro e sua história está eternizada nas páginas da literatura do futebol gaúcho.


Em entrevista ao Globo Esportes na época, Nico disse que não se arrepende de ter dito não a clubes gigantes do país e do exterior. Ele trocou o dinheiro pela sua casa casa, o Guri.


"Não me arrependo de nada, de não ter ido para o Vasco, Grêmio, Inter, São Lorenzo, Santos. Eu tinha outra ideia de futebol, queria me apresentar para o meu pai, minha mãe, minha namorada. Não me arrependo de nada", declarou o ex-jogador.


Quando atleta, Nico foi Campeão Copa FGF Cícero Soares em 1973 de forma invicta. Ele deixou de jogar em 1979. Suas batidas impecáveis de faltas e pênaltis conquistaram os torcedores. Nas redes sociais, o Riograndense fez uma homenagem ao grande goleador do passado.


"Obrigado Nico! Enquanto existir um único TEIMOSO no mundo, tu serás, a lenda, o ídolo, o REI. Te amamos pra todo sempre", publicou o clube nas redes sociais.


Fotos: Samáfotografia