O melhor a fazer é finalizar o Campeonato onde parou e começar o Brasileiro já, opina Renato Cajá

Destaque do Juventude no acesso para a Série B do Campeonato Brasileiro 2020, Renato Cajá não conseguiu ter uma grande sequência neste ano de 2020, até em função da própria paralisação do futebol e de lesões. O atleta disse ser a favor do retorno aos treinos, mas seguindo todos os protocolos de segurança.

"Sou a favor da volta para os treinos no CT, até porque os clubes estão conscientes do que é necessário para se cuidar, mas para isso acontecer creio que temos que nos prevenir da melhor maneira possível, seguindo os médicos e especialistas, para que a gente volte aos poucos à nossa rotina anterior", pontuou o atleta. O experiente jogador, de 34 anos, admitiu que será uma "nova realidade" quando os trabalhos retornarem. "Não tenho dúvida que será diferente a nossa rotina no CT, até porque todos estamos com receio de sermos contaminados pelo Covid-19, mas precisamos nos prevenir. Creio que em breve teremos a vacina para a imunização da população e ficaremos mais tranquilos", contou Cajá. Ainda não se tem uma definição de quando o Gauchão será concluído. A Federação Gaúcha de Futebol esta trabalhando para terminar o estadual dentro de campo, mas para isso, depende do aval do governo do estado. O jogador do Juventude defende que o melhor seria terminar o campeonato e iniciar a Série B do Brasileiro. "Acredito que o melhor a fazer é finalizar o Campeonato Gaúcho onde parou e começar o Brasileiro já, mas também temos que pensar nas equipes menores. Infelizmente esperava que acontecesse tudo isso, então acho que o ideal é haver uma reunião entre os membros da federação para entrar em um consenso sobre o estadual, mas se decidirem que vamos terminar a competição em campo, entraremos com vontade e buscaremos a vaga nas finais", opina o jogador.


O Cajá voltou ao Juventude no meio de 2019 após ficar quase um ano parado. Na série C, foi protagonista do acesso com hat-trick na partida decisiva contra o Imperatriz na goleada por 4 a 0. Pelo clube gaúcho, marcou cinco gols e deu uma assistência em nove partidas.


Depois foi emprestado pra Ponte, onde é ídolo e fez sua quinta passagem, para disputar a reta final da série B da temporada passada. Pelo clube paulista, marcou dois gols e deu três assistências em 13 jogos disputados.


No início desse ano, voltou pro Juventude, mas ainda não conseguiu ter uma sequência de jogos por conta das duas lesões que teve.


Foto: Divulgação/Juventude