Prefeito de Santa Maria levanta diversos questionamentos para liberação de jogos

Nesta semana, o site peleiafc.com trouxe uma matéria alertando sobre o problema do Gauchão quanto a liberação dos jogos pelas prefeituras. Essa situação deve servir de exemplo e alerta para os clubes da Divisão de Acesso. O campeonato segue suspenso, mas existe a possibilidade de retorno em setembro. Na Série A2 são 15 cidades envolvidas em momentos distintos de enfrentamento à pandemia.


Nesta quarta-feira, o prefeito de Santa Maria foi entrevistado pela Rádio Imembuí. Durante conversa com a repórter Angélica Varaschini, ele realizou diversos questionamentos para analisar a liberação de jogos de futebol na cidade. Para Jorge Pozzobom (PSDB), o momento atual é de grande preocupação.


"Essa questão da Divisão de Acesso é extremamente importante. Hoje, sinceramente, o tamanho dos nossos estádios, sabendo a realidade dos nossos vestiários, sabendo que toda a equipe que entrar para jogar tem que ter uma área isolada com mais de 500 metros e todos testados, nós temos condições de segurança ? Este é um momento muito difícil que estamos passando", se perguntou o prefeito.


Pozzobom revelou ter conversado com o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, que é do seu mesmo partido. Ele procurou obter informações e saber sobre a realidade da região quanto aos jogos de futebol. Disse ainda, que para a liberação dos jogos em Santa Maria é preciso um protocolo por parte da Federação.

"Me perguntaram já, se a Federação liberar o futebol, qual a posição da prefeitura de Santa Maria? Primeiro vamos ver quais as regras da Federação. Não pode a Federação liberar e dizer que cada município faz o que quiser. Seria uma irresponsabilidade. Não podemos correr riscos neste momento", enfatizou.


Atualmente, o poder público não foi procurado sobre a possibilidade de liberação das partidas da Série A2. O prefeito afirmou que deseja conhecer primeiro o protocolo que será cobrado dos clubes para realização dos confrontos. Isso se a decisão das equipes, junto à FGF, for pela retomada da Divisão de Acesso.


"É uma série de questões que nos preocupa. Por exemplo, quais são os protocolos de segurança que a federação vai definir para liberar a Divisão de Acesso? É importante termos esse conhecimento para tomarmos a nossa decisão", pontuou o prefeito de Santa Maria.


Esta fala reforça a abertura, o quanto antes, do diálogo com os prefeitos das cidades com clubes envolvidos na Série A2. É preciso evitar o mesmo problema ocorrido no Gauchão. Na elite, após a confirmação de retorno do campeonato, diversas prefeituras negaram a realização de jogos.


Questionado se o estádio Presidente Vargas, do Inter SM, fosse solicitado para realização de partidas do Campeonato Gaúcho, Pozzobom não se opôs, mas com uma condição.


"Eles (FGF) garantindo todos, rigorosamente todos os protocolos de segurança, testando todo mundo, não tem nenhum problema aceitar o jogo aqui. Mas tem que cumprir tudo que é exigido", destacou o prefeito da região central.


Outro ponto abordado por Jorge Pozzobom é quanto ao sistema de bandeiras. Hoje, Santa Maria está bandeira laranja, mas ele questiona se a cidade entrar na cor vermelha como ficaria. Segundo o chefe do executivo, existe um comitê para tomar as decisões em conjunto na cidade. Pozzobom prezou a abertura de um diálogo para tratar sobre o tema.

A cidade do Inter-SM se encontra com uma estabilidade de casos da COVID-19. A taxa de ocupação de leitos de UTI tem ficado entre 55% a 68% nas últimas semanas. São 1.136 casos confirmados, 804 curados e 26 mortes no município.


Foto de capa: João Alves/Prefeitura/Divulgação