Presidente do Esportivo destaca campanha histórica e analisa a gestão

Ao final do biênio à frente do Esportivo de Bento Gonçalves, Laudir Miguel Piccoli fez uma análise da atual temporada, encerrada após a participação histórica na Série D do Campeonato Brasileiro, e do mandato como um todo. O presidente abriu o balanço financeiro e destacou a concretização de objetivos como a visibilidade nacional e a estruturação das categorias de base, além de projetar o futuro do Alviazul.


Piccoli assumiu o Esportivo em 2020, após o acesso do clube para a primeira divisão do Campeonato Gaúcho. No retorno à elite, o time fez uma campanha histórica e sagrou-se Campeão do Interior após 33 anos. Além do título, o sucesso na competição garantiu um calendário cheio para 2021, com a disputa do torneio no Rio Grande do Sul, além da Copa do Brasil e da Série D, onde, a equipe do Montanha dos Vinhedos alcançaria resultados relevantes, com uma inédita classificação às oitavas de final.


Piccoli salientou que entregará o clube com as contas em dia e, além disso, autossustentável. Um dos pontos que fizeram possível o balanço financeiro positivo foi o investimento de R$ 260 mil em placas de energia solar, pagas com parte da venda dos índices construtivos do clube. Em 2021, a economia mensal com iluminação, graças ao novo modelo instalado no Montanha dos Vinhedos, chegou a R$ 9.500,00. Se antes o valor gasto com energia elétrica chegava a R$ 9 mil, no último mês foi de R$ 131.


A consequência foi poder ter oferecido para jogadores e comissão técnica as melhores condições de trabalho, fundamentais para o sucesso na Série D, quando a folha de pagamento dos atletas teve uma média mensal de R$ 50 mil e da comissão técnica de R$ 20 mil . “O clima é de muita felicidade porque o profissional quer receber em dia e fizemos isto. Fica o nosso agradecimento aos membros do conselho que nos ajudaram para que pudéssemos nos manter dessa forma inclusive em meio à pandemia.” Além dos vencimentos mensais, todas as rescisões já foram pagas aos atletas.


A responsabilidade financeira fez com que fosse possível encarar a disputa da Série D do Campeonato Brasileiro, cujo orçamento foi de R$ 900 mil. Por conta disso, Laudir fez questão de agradecer os esforços feitos por toda a comunidade, patrocinadores e Poder Público. “As marcas que se associaram a nós ultrapassaram as fronteiras do Rio Grande do Sul. O Esportivo hoje leva o nome de Bento Gonçalves para o país inteiro. Por isso é fundamental que esse apoio não termine aqui, que as pessoas entendam a importância de abraçar o clube. Não é difícil colocar o clube na Série C e depois na B. Para isso, é preciso que a comunidade esteja junto conosco”, refletiu.


O resultado da união em torno do projeto foi uma campanha histórica, com o Esportivo alcançando as oitavas de final de um torneio a nível nacional. Números positivos que mostraram resiliência após um primeiro semestre conturbado culminado com o retorno à Divisão de Acesso no Campeonato Gaúcho. “Hoje eu vejo que o futebol tem futuro, sim. Existem pessoas sérias e esse grupo de jogadores, comissão técnica e funcionários mostra isso. Por conta dessas pessoas eu acredito que é possível voltarmos ali na frente à primeira divisão do estadual.”


Laudir Piccoli frisou que não será candidato à reeleição e que o novo mandatário será eleito até 15 de novembro. “O legado para o próximo presidente é pegar o Esportivo em dia, estruturado e com uma mentalidade empresarial. Nós hoje temos um software para gestão tanto do profissional quanto da categoria de base. É uma espinha dorsal que faz com que tudo funciona.”


Foto: Divulgação