top of page

Presidentes da dupla Ca-Ju disparam contra a arbitragem

A arbitragem dos jogos de ida das semifinais do Gauchão não agradou em nada a Dupla Ca-Ju. Os presidentes de ambos os clubes deram depoimentos fortes após alguns lances polêmicos nos jogos do final de semana no Estádio Centenário e no Estádio Alfredo Jaconi.


Após o empate em 0 a 0 com o Inter, em Caxias do Sul, o presidente do Juventude, Fábio Pizzamiglio, criticou a escolha de Lucas Horn e o condicionamentos feito em cima da arbitragem antes do jogo.


— Acho que ficou claro, não precisava nem ter feito a pergunta. Toda a imprensa deve ter visto o que aconteceu hoje aqui. A imprensa, inclusive de Porto Alegre, me perguntou da arbitragem e eu disse que confiava na arbitragem. Eu vi a arbitragem essa semana ser condicionada. Vi ser condicionada aqui dentro do nosso estádio. E achava que isso não ia funcionar. E acabou que me parece que funcionou. Pelo jeito que foi o jogo. Pela falta de critérios. Pelos erros, vamos dizer assim, só para um lado. Espero que o jogo de volta seja mais igualitário. Se for errar, que erre para os dois lados. A gente pede só que deixe a gente jogar — declarou o presidente alviverde. 


O Juventude encaminhou um vídeo com lances para a comissão de arbitragem da FGF. O seu rival, o Caxias, também reclamou de Roger Goulart após perder por 2 a 1 para o Grêmio, no Estádio Centenário. O presidente Mário Werlang falou à Rádio Gaúcha Serra que no ano passado o Grêmio ganhou o Gauchão com ajuda da arbitragem com um pênalti sobre Suárez.


— O jogo contra o Grêmio foi um jogo conturbado, onde a arbitragem foi desastrosa, essa é a realidade do jogo. Com dois ou três exemplos clássicos, que a torcida com certeza viu. E toda a orientação que nós tivemos desde o ano passado da arbitragem, era de que mão acima do ombro era no mínimo cartão amarelo e, dependendo da intensidade, cartão vermelho. O Marcelo levou uma mão na cara e o juiz não deu nem amarelo. O Kannemann chamando o juiz de "louco, é louco, tá louco"; imagina um jogador nosso fazer isso depois de ter cartão amarelo, e o juiz simplesmente se acovardou — criticou Werlang que completou:


— Vimos o adversário já tentando tumultuar o tempo inteiro. São várias situações, questionaram o nosso gol, então eu estou preparando a volta para ver se tenha talvez um "pênalti borboleta", como no ano passado em Porto Alegre, porque ganharam o campeonato desse jeito no ano passado, não foi na bola, foi no apito, essa é a realidade.


Imagens: Reprodução/Youtube

Comments


bottom of page