Série Ouro x Liga: O futsal gaúcho está dividido

Especial

Felipe Michalski


A bola já está rolando para mais um Campeonato Estadual de Futsal. Contudo, esse ano existem dois torneios, um é a Série Ouro da Federação Gaúcha de Futebol de Salão e outro da Liga Gaúcha. Ficou confuso? Vamos explicar.


Até o ano passado, a pirâmide do futsal gaúcho tinha 3 divisões: Série Ouro, Série Prata e Série Bronze. As duas primeiras divisões eram formadas por 12 equipes, enquanto que a Série Bronze era disputada de maneira regionalizada com a quantidade de equipes dispostas a jogarem. Ou seja, nunca havia um número exato. Em 2018, por exemplo, 26 equipes disputaram a competição.

A Série Ouro, entretanto, tinha uma pequena diferença. Desde 2017, as equipes da primeira divisão estadual criaram uma liga independente, chamada de Liga Gaúcha de Futsal. Os próprios clubes passaram a gerenciar a competição no lugar da Federação, que chancelava o torneio de maneira oficial. A Federação cuidava apenas das Séries Prata e Bronze.


A POLÊMICA


Porém, o final de 2018 foi conflituoso na Federação. Em uma eleição polêmica, o presidente Cesar Cabral se reelegeu de maneira unânime com a cassação da chapa opositora de Carlos Quaresma. Insatisfeitos, alguns clubes resolveram deixar os campeonatos da Federação e se filiar à Liga Gaúcha. No final de abril deste ano, o presidente Cabral se afastou por tempo indeterminando e o motivo não foi divulgado.


O movimento da Liga deu certo e mais de 100 clubes, entre categorias adultas e de base, anunciaram filiação na nova entidade. A Liga Gaúcha manteve estrutura semelhante a que já existia, com primeira e segunda divisão com 12 times cada e uma terceira divisão com 24 equipes participantes, divididas em 4 chaves com 6 times cada. Aderiam à Liga 11 dos 12 times da Série Ouro de 2018, além de 10 das 12 equipes da Série Prata e boa parte das equipes da Série Bronze que retornaram para este ano. A nova entidade batizou as suas divisões como Liga Gaúcha 1, 2 e 3.


FEDERAÇÃO


Devido a essa circunstância, a Federação deixou de chancelar as competições da Liga Gaúcha. Em paralelo às três divisões da Liga, a Federação Gaúcha organizou seu próprio campeonato para 2019. Com apenas uma divisão, chamada de Série Ouro, 18 equipes se inscreveram para participar e foram divididas em duas chaves com 9 times cada. Entre esses times, estão UFSM e União Independente, que optaram por permanecer com a Federação.


O torneio, embora esvaziado, conta com algumas equipes interessantes: a Assoeva, campeã estadual de 2017 é a única equipe que jogará a Liga Gaúcha e a Série Ouro ao mesmo tempo. A tendência é de que a equipe de Venâncio Aires utilize seu conjunto sub-20 na Série Ouro e coloque o time principal na Liga Gaúcha. Além deles, Parobé, oitava colocada na Série Ouro de 2018, e as equipes de Bento Gonçalves e Alvorada, que jogariam a Série Prata em 2019, estão presentes no torneio. Todas as demais equipes estavam na Série Bronze em 2018 ou são estreantes.


FORMATO SÉRIE OURO (FGFS)


O formato da Série Ouro é o seguinte: as equipes se enfrentam dentro das suas chaves em turno e returno, totalizando 16 jogos. Os dois primeiros colocados de cada chave se classificam para as quartas de final de maneira direta. As equipes que passarem entre a terceira e a sexta posição farão um mata-mata para definir as outras quatro equipes que jogarão as quartas. Depois disso, será disputado novo mata-mata até definir o campeão.


O torneio iniciou no dia 20 de abril e tem previsão de término para o dia 19 de outubro. O campeão da Série Ouro disputará a Taça Brasil, torneio que reúne os campeões estaduais e que pode garantir uma vaga na Libertadores de Futsal. As três últimas colocadas de cada chave caem para a Série Prata de 2020 da Federação, que pretende reorganizar seus torneios para o próximo ano com 12 equipes em cada divisão.


Além disso, a Federação pretende realizar no segundo semestre a Copa Superfutsal RS, torneio entre as 16 melhores equipes ranqueadas na Série Ouro. A competição seria inteiramente em mata-mata.


Foto: Ulisses Castro/ACBF /Divulgação